fevereiro 06 2017
Sistema Cantareira

Graças às chuvas de janeiro, Sistema Cantareira atinge nível próximo ao registrado antes da grande crise

Entre 2014 e 2015, o Sistema Cantareira, que abastece um terço da região metropolitana, chegou ao fundo do poço. As réguas de medição apontaram uma quantidade de apenas 5% de água disponível, incluindo duas cotas do volume morto.

A situação começou a melhorar no ano passado e hoje estão afastadas as previsões mais catastróficas. Um dos fatores que desencadearam a crise hídrica foi a maior queda no regime de chuvas no território paulista desde 1930, quando começou essa medição.

Em janeiro, as pancadas de verão fizeram desabar no Cantareira 393 milímetros de água, o maior volume mensal registrado nos últimos seis anos. Com isso, o reservatório atingiu 60% de sua capacidade, sem considerar o volume morto, retomando o nível de 2013. Os outros sistemas também apresentam índices positivos.

Duas obras importantes de interligação de reservatórios — o São Lourenço e o Jaguari- Atibainha — vão ficar prontas até o fim do ano, graças a um investimento de 2,7 bilhões de reais. “Isso vai ajudar a diminuir a nossa dependência do Cantareira”, afirma Kelman. “Se houver um problema como o de 2014, a população nem vai perceber os efeitos disso em casa.”

Sistuacao atual dos sistemas de abastecimento

Clique aqui e veja a reportagem na íntegra.

Fonte: Veja São Paulo.